A proteína ‘Magneto’ geneticamente modificada controla remotamente o cérebro e o comportamento

Ir para a análise

O novo método “Badass” usa uma proteína magnetizada para ativar as células cerebrais de forma rápida, reversível e não invasiva

Pesquisadores nos Estados Unidos desenvolveram um novo método para controlar os circuitos cerebrais associados a comportamentos animais complexos, usando engenharia genética para criar uma proteína magnetizada que ativa grupos específicos de células nervosas à distância.

Entender como o cérebro gera comportamento é um dos objetivos finais da neurociência – e uma de suas questões mais difíceis. Nos últimos anos, os pesquisadores desenvolveram uma série de métodos que os permitem controlar remotamente grupos específicos de neurônios e sondar o funcionamento dos circuitos neuronais.

O mais poderoso deles é um método chamado optogenética , que permite aos pesquisadores ligar ou desligar populações de neurônios relacionados em uma escala de tempo de milissegundo a milissegundo com pulsos de luz laser. Outro método desenvolvido recentemente, chamado quimogenética , usa proteínas projetadas que são ativadas por drogas projetadas e podem ser direcionadas a tipos específicos de células.

Embora poderosos, ambos os métodos têm desvantagens. A optogenética é invasiva, exigindo a inserção de fibras ópticas que entregam os pulsos de luz ao cérebro e, além disso, a extensão em que a luz penetra no tecido cerebral denso é severamente limitada. As abordagens quimiogenéticas superam essas duas limitações, mas normalmente induzem reações bioquímicas que levam vários segundos para ativar as células nervosas.

A nova técnica, desenvolvida no laboratório de Ali Güler na Universidade da Virgínia em Charlottesville, e descrita em uma publicação online avançada na revista Nature Neuroscience , não é apenas não invasiva, mas também pode ativar neurônios de forma rápida e reversível.

Vários estudos anteriores mostraram que as proteínas das células nervosas que são ativadas por calor e pressão mecânica podem ser geneticamente modificadas para que se tornem sensíveis a ondas de rádio e campos magnéticos , anexando-os a uma proteína armazenadora de ferro chamada ferritina, ou a partículas paramagnéticas inorgânicas . Esses métodos representam um avanço importante – eles já foram, por exemplo, usados ​​para regular os níveis de glicose no sangue em camundongos – mas envolvem vários componentes que devem ser introduzidos separadamente.

A nova técnica se baseia neste trabalho anterior e é baseada em uma proteína chamada TRPV4, que é sensível tanto à temperatura quanto às forças de alongamento . Esses estímulos abrem seu poro central, permitindo que a corrente elétrica flua através da membrana celular; isso evoca impulsos nervosos que viajam para a medula espinhal e, em seguida, para o cérebro.

Güler e seus colegas raciocinaram que as forças de torque magnético (ou rotativas) podem ativar o TRPV4 puxando seu poro central, e então eles usaram a engenharia genética para fundir a proteína à região paramagnética da ferritina, juntamente com sequências curtas de DNA que sinalizam as células para transportar proteínas na membrana da célula nervosa e inseri-las nela.

Quando eles introduziram essa construção genética em células renais embrionárias humanas crescendo em placas de Petri, as células sintetizaram a proteína ‘Magneto’ e a inseriram em sua membrana. A aplicação de um campo magnético ativou a proteína TRPV1 projetada, conforme evidenciado por aumentos transitórios na concentração de íons de cálcio dentro das células, que foram detectados com um microscópio de fluorescência.

Em seguida, os pesquisadores inseriram a sequência de DNA do Magneto no genoma de um vírus, junto com o gene que codifica a proteína fluorescente verde e sequências de DNA regulatórias que fazem com que a construção seja expressa apenas em tipos específicos de neurônios. Eles então injetaram o vírus no cérebro de camundongos, tendo como alvo o córtex entorrinal, e dissecaram os cérebros dos animais para identificar as células que emitiam fluorescência verde. Usando microeletrodos, eles mostraram que a aplicação de um campo magnético nas fatias do cérebro ativou Magneto para que as células produzissem impulsos nervosos.

Para determinar se Magneto pode ser usado para manipular a atividade neuronal em animais vivos, eles injetaram Magneto em larvas de peixe-zebra, visando neurônios no tronco e cauda que normalmente controlam uma resposta de escape. Eles então colocaram as larvas do peixe-zebra em um aquário magnetizado especialmente construído e descobriram que a exposição a um campo magnético induzia manobras em espiral semelhantes às que ocorrem durante a resposta de fuga. (Este experimento envolveu um total de nove larvas de peixe-zebra, e análises subsequentes revelaram que cada larva continha cerca de 5 neurônios que expressam Magneto.)

Em um experimento final, os pesquisadores injetaram Magneto no corpo estriado de camundongos que se comportavam livremente, uma estrutura cerebral profunda contendo neurônios produtores de dopamina que estão envolvidos na recompensa e motivação, e então colocaram os animais em um aparelho dividido em seções magnetizadas e não magnetizadas . Os camundongos que expressam Magneto passam muito mais tempo nas áreas magnetizadas do que os camundongos que não o fazem, porque a ativação da proteína faz com que os neurônios do estriado que a expressam liberem dopamina, de modo que os camundongos descobrem estar nessas áreas gratificantes. Isso mostra que Magneto pode controlar remotamente o disparo de neurônios nas profundezas do cérebro, e também controlar comportamentos complexos.

O neurocientista Steve Ramirez, da Universidade de Harvard, que usa a optogenética para manipular memórias no cérebro de camundongos, diz que o estudo é “ durão ”.

“As tentativas anteriores [usando ímãs para controlar a atividade neuronal] precisavam de vários componentes para o sistema funcionar – injetar partículas magnéticas, injetar um vírus que expressa um canal sensível ao calor [ou] fixar a cabeça do animal para que uma bobina pudesse induzir mudanças no magnetismo ”, explica ele. “O problema de ter um sistema multicomponente é que há muito espaço para cada peça individual quebrar.”

“Este sistema é um vírus único e elegante que pode ser injetado em qualquer parte do cérebro, o que torna tecnicamente mais fácil e menos provável a quebra de sinos e apitos”, acrescenta, “e seu equipamento comportamental foi habilmente projetado para conter ímãs quando apropriado, para que os animais possam se mover livremente. ”

A ‘magnetogenética’ é, portanto, um acréscimo importante à caixa de ferramentas dos neurocientistas, que sem dúvida será mais desenvolvida e fornecerá aos pesquisadores novas maneiras de estudar o desenvolvimento e a função do cérebro.

Referência

Wheeler, MA, et al . (2016). Controle magnético do sistema nervoso com alvos genéticos. Nat. Neurosci ., DOI: 10.1038 / nn.4265 [ Resumo ]

(Fonte: https://www.theguardian.com/science/neurophilosophy/2016/mar/24/magneto-remotely-controls-brain-and-behaviour)

ANÁLISE DA NOTÍCIA

Se os pesquisadores alcançaram tais resultados ainda em 2016, é possível deduzir que agora (2021) seja ainda mais fácil fazer uma proteína magnetizada injetada em um indivíduo ativar grupos específicos de células nervosas à distância.

Na prática, qualquer animal (ou ser humano) submetido a essa “terapia”, pode ser transformado em algo que possa ser controlado à distância, bastando para isso que o indivíduo seja exposto a ondas de rádio e campos magnéticos. Isso não se trata de especulação ou teoria, mas de fato científico já comprovado.

Sob o efeito de tal controle, o indivíduo (ou mesmo uma população inteira) poderia ser esvaziado de quaisquer sentimentos, inclusive os afetivos, ou mesmo bombardeado por estímulos altamente destrutivos. Populações inteiras poderiam ser facilmente controladas por grupos terroristas internacionais ou até mesmo por um governo totalitário ditatorial, a fim de cumprir qualquer tipo de ordem, até mesmo matar, fazendo tudo sem questionar.

Isso pode parecer especulativo demais, porém homens como Mao Tsé-tung, Stálin, Hitler e Kublai Khan juntos foram responsáveis pela morte de mais de 159.000.000 milhões de pessoas, segundo o historiador Rudolph J. Rummel, isso apenas usando o seu discurso e capacidade de persuasão. Se apenas com recursos limitados, esses homens foram capazes de tal feito, do que seriam capazes os atuais ditadores se fizerem uso das atuais tecnologias disponíveis.

As mídias, especialmente a cinematográfica, vêm explorando o tema do controle mental de humanos por via remota há bastante tempo e sempre para fins malignos.

No filme “Kingsman: Serviço Secreto”, lançado em março de 2015, pessoas comuns, quando expostas a um certo tipo de frequência ou onda sonora, agem violentamente contra outras que estiverem no seu raio de alcance, mesmo quando estão reunidas dentro de um espaço congregacional. Se não suporta ver cenas fortes, não assista ao vídeo a seguir.

A proteína “Magneto” é apenas um meio a mais de obter um controle remoto mental sobre as pessoas, porque outras técnicas têm sido estudadas e desenvolvidas, bastando o leitor efetuar pesquisa em sites de notícias para conhecê-las. Mas por que tanto interesse em obter meios para controlar as pessoas remotamente? Para qual finalidade? Quem está financiando? É possível garantir que isso nunca será colocado em prática? Em que o controle mental seria útil para a humanidade? Quem se sentiria feliz ao ser transformado em uma marionete?

Com o surgimento da atual pandemia da c-o-v-i-d-1-9, o início da vacinação experimental com tratamento de RNA e a disponibilização na web de enorme quantidade de imagens e vídeos de pessoas recém-vacinadas com objetos metálicos grudados ao corpo no local da vacinação, surgiram algumas teorias relacionando vacinas às proteínas magnetizadas e, consequentemente, à possibilidade de os vacinados sofrerem algum tipo de controle mental em um momento futuro oportuno, por causa do potencial da proteína “Magneto”.

Aqui no Brasil, as pessoas ainda são livres para tornarem públicas as suas opiniões acerca desse assunto, ao menos enquanto o Projeto de Lei 105/21, de autoria do Deputado Ricardo Silva (PSB-SP), não é aprovado e promulgado. Se a Câmara dos Deputados aprová-lo, teremos uma lei que punirá com prisão e multa a propagação de notícias falsas sobre vacinas. Na prática, o “Sistema” determinará o que é verdadeiro ou falso e qualquer tentativa de demonstrar o contrário será punida, a exemplo do que já acontece em algumas ditaduras no mundo, como na China e na Coreia do Norte, por exemplo.

Como não há provas inequívocas de que essas teorias a respeito das vacinas estejam corretas, não irei dizer se são verdadeiras ou falsas, mas os inúmeros relatos de itens metálicos grudando no corpo são, no mínimo, preocupantes.

Naturalmente, o objetivo dessa análise não é afirmar que alguma proteína magnetizada esteja sendo injetada nas pessoas através da vacinação, pois se trataria de especulação, mas sim demonstrar que no futuro próximo, alguma tecnologia de controle mental será mesmo utilizada em larga escala contra a humanidade, tendo em vista o intrigante esforço ainda não justificado para o desenvolvimento dessa tecnologia e algumas profecias contidas nas Escrituras Sagradas, segundo as quais, alguns comportamentos muito estranhos serão observados.

“Não confiem nos vizinhos; nem acreditem nos amigos. Até com aquela que o abraça tenha cada um cuidado com o que diz. Pois o filho despreza o pai, a filha se rebela contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos do homem são os seus próprios familiares.” (Miquéias 7:5,6)

“E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai o filho; e os filhos se levantarão contra os pais, e os matarão. E odiados de todos sereis por causa do meu nome; mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo.” (Mateus 10:21,22)

A profecia do livro de Miquéias foi repetida pelo Senhor Jesus e está relacionada ao tempo do fim. Miquéias ainda escreveu:

“As nações o verão, e envergonhar-se-ão, por causa de todo o seu poder; porão a mão sobre a boca, e os seus ouvidos ficarão surdos.” (Miquéias 7:16)

Esta última referência aponta claramente para a volta do Senhor Jesus, quando então pessoas de todas as nações serão reunidas diante dele e o verão, muitas para lamentar o fato de tê-lo recusado ou ignorado ainda no tempo oportuno.

“Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.” (Apocalipse 1:7)

“E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas; E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.” (Mateus 25:31-33)

Porém antes da volta de Jesus, muitas pessoas estarão agindo de forma cruel, sem qualquer tipo de sentimento ou compaixão, nem mesmo para com os próprios familiares.

Mas qual a possível relação dessas profecias, que apontam para os tempos do fim, e que falam sobre familiares perseguindo os da própria casa, com a tecnologia de controle mental?

Sempre imaginei que somente por razões de ordem espiritual, parentes tão próximos pudessem ser capazes de perseguir e matar os da própria casa. Nesse caso, essas pessoas fariam todo tipo de mal por estarem sob forte influência de demônios.

No entanto, com o crescente desenvolvimento científico na área de controle comportamental, passei a considerar a tecnologia como a provável responsável por essas perseguições tão inesperadas, empreendidas por pessoas tão próximas, já que poderão ser induzidas a isso remotamente.

Se pudermos mesmo culpar a tecnologia por esses dramáticos eventos de perseguição, agora só nos resta descobrir a forma como isso será viabilizado. Provavelmente, o controle sobre a mente de alguém poderá depender também de esta pessoa ter implantado uma certa “marca” ou “dispositivo emissor de frequência” na testa ou na mão, como a mencionada no capítulo 13 de Apocalipse.

Com tal dispositivo, essa pessoa continuará comprando ou vendendo dentro do “Sistema”, mas ao altíssimo e irreversível custo de se tornar marionete nas mãos do anticristo, o qual as levará a perseguir e matar seus próprios parentes cristãos. Estou conjecturando. Veremos.

Se o seu nome estiver inscrito no livro da vida que está nas mãos do Cordeiro, o que faz de você um salvo, não tenha medo, pois não receberá a marca da besta na mão ou na testa e nem poderá, de forma alguma, ser controlado por qualquer tecnologia de controle mental, esteja ela associada à marca da besta ou não. A operação do erro (2 Tessalonicenses 2:11) não o afetará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *