O segredo das imagens de escultura

A Palavra de Deus é taxativa ao proibir o homem de criar, possuir ou servir a um ídolo, esteja ele representado em madeira, pedra, gesso, barro, ferro, ouro ou qualquer outro material. Vários livros da Bíblia advertem o homem contra essa prática que irrita profundamente ao Deus Todo-Poderoso.

“Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.” (Êxodo 20:4-5)

“Eu sou o Senhor; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura.” (Isaías 42:8)

“Quanto a vós, preveni-vos! Não imiteis esses estrangeiros, deixando que também o temor desses deuses se aposse de vós. Quando virdes a multidão comprimir-se em torno deles para adorá-los, dizei no silêncio de vossos corações: “É somente a vós, Senhor, que devemos adorar”.  Baruc 6:4-5 

Leia mais em: https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/baruc/6/

Apesar disso, o próprio povo de Israel desobedeceu a Deus e por muitas vezes se desviou para servir a ídolos mudos, que não possuem poder para nada.

“São como a palmeira, obra torneada, porém não podem falar; certamente são levados, porquanto não podem andar. Não tenhais receio deles, pois não podem fazer mal, nem tampouco têm poder de fazer bem.” (Jeremias 10:5)

Depois que a igreja foi instituída, alguns costumes de povos pagãos foram incorporados no decorrer dos séculos, como a veneração a imagens de escultura. Porém o Novo Testamento da Bíblia ainda proíbe essa prática, como nos mostram as referências seguintes:

“Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém.” (1 João 5:21)

“Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios. Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.” (1 Coríntios 10:19-21)

Isso significa que quando uma pessoa acende uma vela diante de uma imagem de escultura, na verdade ela está oferecendo um sacrifício para um demônio. Acender uma vela, confiar, servir, carregar imagens em procissões são coisas que Deus abomina, considerando-as como adultério espiritual:

“E sucedeu que pela fama da sua prostituição, contaminou a terra; porque adulterou com a pedra e com a madeira.” (Jeremias 3:9)

“Porque adulteraram, e sangue se acha nas suas mãos, e com os seus ídolos adulteraram, e até os seus filhos, que de mim geraram, fizeram passar pelo fogo, para os consumir.” (Ezequiel 23:37)

Sem dúvida alguma, Deus não admite que o homem desvie a sua atenção para um ídolo cego, surdo e mudo, que nada pode fazer para ajudar, a não ser trazer a maldição para o seu possuidor.

Isso é o que está revelado nas Escrituras. Mas qual o segredo das imagens? O que elas têm em comum? Observe a simbologia nas mãos.

Isso não se trata apenas de uma infeliz coincidência. A simbologia ocultista também foi utilizada por Adolf Hitler e outros personagens.

Adolf Hitler, líder do movimento nazista.

Joseph Smith, fundador da igreja mórmon.

Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Símbolo maçônico:

Os adeptos do ocultismo acreditam que podem manipular os quatro elementos (terra, fogo, ar e vento) com as mãos. Para os bruxos, o uso das mãos serve para lançar magias.

Sabiamente Deus proibiu a tentativa de  representação por imagens e esculturas. Sendo assim, trocar a revelação escrita de Deus por tradições equivocadas de alguma denominação religiosa torna-se uma escolha infeliz, ainda mais quando esses elementos estão contaminados com simbologia anticristã.

Se é esse o seu caso, livre-se desses símbolos que não se compatibilizam com a santidade de Deus, não intermedeiam a adoração e sequer conseguem retratar a verdadeira aparência de Jesus e de outros nomes da Bíblia. Aquilo que não é verdadeiro só pode ser enganoso.

Para defender o uso de imagens de escultura, alguém pode dizer que Deus mandou fazer a imagem da serpente no deserto (Números 21:8), mas o ordenou para um fim específico e transitório, não relacionado à adoração, veneração ou culto. Mas a partir do momento que os homens passaram a queimar incenso (prestar culto) ao ídolo, dando-lhe até um nome, foi agradável a Deus o fato de o rei Ezequias ter destruído aquela escultura.

“Ele tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã.” (2 Reis 18:4)

Outro grande problema é o fato de Jesus ser representado nessas imagens, às vezes, com um rosto jovial, quase sempre com cabelos compridos e até mesmo com traços femininos:

De acordo com a Bíblia, observados o contexto temporal e cultural da sociedade no período de Cristo, é desonra para o homem ter cabelo crescido (1 Co 11:14), embora séculos antes fosse motivo de honra (Num 6:5).

Outra contradição é quanto ao rosto de Jesus não ser jovial e nem efeminado, pois os fariseus disseram a Jesus em uma ocasião “ainda não tens 50 anos” (João 8:57), dando a entender que a aparência dele era a de um homem mais velho, certamente por causa do árduo trabalho de carpinteiro e da exposição ao clima severo da região.

Por fim, mas sem esgotar o assunto, ainda há uma maldição para aqueles que confiam em imagens de ídolos, os quais nada veem e ouvem. Eles acabam se tornando iguais a esses mesmos ídolos, incapazes de ouvir e enxergar a verdade, chegando mesmo ao ponto de insistir na veneração dos ídolos nos quais acreditam e servem de alguma forma. Observe:

“Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não veem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam.” (Salmos 115:4-8).

Tudo é uma questão de escolha…

Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e com verdade; e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais além do rio e no Egito, e servi ao Senhor. Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” (Josué 24:14,15)

“Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno.” (1 João 5:19)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *