Evangelizando no hospital

O evangelismo no hospital requer uma autorização da administração. É preciso entrar em contato com o hospital e verificar os requisitos para o ingresso do grupo de evangelismo, a quantidade de pessoas que podem entrar, geralmente são poucas, horário e os locais permitidos para a execução desse trabalho.

A Constituição Federal assegura, no Art. 5º: (…)

VII – é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;

Nesse caso, o hospital não pode recusar, mas pode estabelecer as regras, as quais devem ser seguidas.

Abordagem em apartamentos particulares: solicitar autorização para entrar e falar sobre a Palavra de Deus e Jesus Cristo. Se houver permissão, entrem no máximo duas pessoas. Se o paciente for mulher, o ideal é que entrem apenas duas evangelistas, ainda mais se o marido da paciente estiver lá. Se for um homem ciumento, irá prejudicar o trabalho de evangelismo. O mesmo se aplica para o caso de paciente homem acompanhado pela sua esposa. Duas evangelistas jovens podem criar algum sentimento de ciúme e atrapalhar o evangelismo. Vigiar nunca é demais.

Os evangelistas devem falar de forma delicada acerca de Deus e do plano de salvação do homem, em baixo tom de voz. Ao final, é necessário fazer o convite para a confissão por Jesus Cristo como Senhor e Salvador de sua vida.

Se o paciente ou algum acompanhante disser que sim, orar apresentando essa vida a Deus e entregar algum material apropriado para novos cristãos e, se possível, presenteá-lo com uma Bíblia carimbada com o endereço da congregação. Se disser que não, agradecer pela atenção, entregar algum folheto e ir em busca de outras vidas.

Atenção! É importante não olhar para os pacientes com um olhar de pena ou de espanto. Isso só vai piorar o estado emocional deles. É preciso ser positivo e, na medida do possível, esbanjar o sorriso amoroso no rosto.

Esteja preparado para enfrentar questionamentos do tipo “Se Deus é tão poderoso, porque eu estou aqui?” ou pedidos do tipo “ore por mim para Deus me curar”.

Para responder isso, diga que esse não era o plano inicial de Deus, quando criou o homem. Porém após o pecado, a terra foi amaldiçoada e agora, independentemente do fato de ser cristão ou não, todos estão sujeitos às enfermidades. Por fim, explicar que ainda que o corpo pereça, o mais importante é a salvação e a vida eterna com Deus, livre de dor e sofrimento.

A solicitação para oração pode ser atendida de pronto, mas é importante esclarecer que Deus poderá curar o paciente ou não e que tudo vai depender da fé da pessoa e da vontade de Deus. Explicar que existe propósito para todas as coisas, e que mesmo que não compreendamos os caminhos de Deus, jamais devemos blasfemar ou desistir de amá-lo, pois é bom e sabe de todas as coisas.

A abordagem nos apartamentos coletivos: a entrada pode ser feita com uma saudação, em baixo tom de voz. Entrem duas ou no máximo três pessoas, sempre portando suas Bíblias. Nesse momento, fazer uma rápida apresentação e perguntar se alguém deseja receber uma oração.

Caso haja, além da oração, deverá ser lida uma mensagem de ânimo, mas sem esquecer de pregar o arrependimento e a salvação em Jesus Cristo. Isso é uma conduta essencial.

Entrega de folhetos também é uma boa alternativa, principalmente para quem fica bastante tempo em tratamento num hospital. Se possuir livretos, melhor ainda. Caso haja recursos para isso, o ideal é presentear alguns pacientes com Bíblias, acompanhadas de planos de leitura e de estudo.

Como se trata de ambiente hospitalar, lembre-se de higienizar as mãos com bastante frequência, aplicando álcool. Evite passar a mão no rosto, nos olhos, boca e nariz, pois pode ocasionar alguma contaminação.

Jesus disse: “se beberdes alguma coisa mortífera, não lhes causará dano”, porém Ele disse também: “Não tentarás ao Senhor teu Deus”. Portanto, não brinque com a sua saúde e com a saúde alheia.

Nos corredores do hospital e nos locais de espera, pode haver entrega de folhetos, de forma discreta. Nada de pregação da Palavra, pois ambiente hospitalar requer silêncio.

Todas as recomendações da administração devem ser seguidas rigorosamente, a fim de manter as portas abertas para outras visitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *