Fogo de Deus?

A história de Jó é uma das mais conhecidas da Bíblia Sagrada. O livro de Jó retrata o sofrimento do justo e nos ensina sobre a necessidade de nos mantermos fiéis a Deus, mesmo quando passamos por momentos mais difíceis.

O livro de Jó também nos trás informações valiosas sobre o mundo espiritual e sua influência sobre os eventos que acontecem no mundo.

Logo no primeiro capítulo, o livro registra um diálogo entre Deus e Satanás. Durante o diálogo, o inimigo afronta Deus e o desafia afirmando que Jó só o adora e o teme pelo fato de ter recebido do Eterno muitas riquezas materiais e de levar uma vida sossegada.

O resultado da conversa é que o diabo é autorizado a tocar nos bens, na família e depois na própria saúde de Jó.

Mas por que Deus permitiria isso?

Deus não poderia simplesmente ignorar o tentador, pois o silêncio de Deus significaria um reconhecimento de que Satanás estava certo, ou seja, de que o homem só teme a Deus se Deus o abençoar primeiro.

Repreender ou destruir Satanás naquele momento implicaria no mesmo problema.

Portanto não havia outra saída, a não ser permitir que o adversário pusesse em prática o seu plano contra Jó. Com isso, Deus demonstrou publicamente (no mundo espiritual e entre os homens) que o inimigo errou em sua tese, pois o resultado de toda a aflição pela qual passou Jó foi a sua fidelidade a Deus. Como prêmio, Jó recebeu em dobro tudo quanto tinha antes, além de ter tido também seus anos de vida aumentados.

Mas o objetivo nesse estudo é entender a fala de um dos servos de Jó, que disse:

“Estando este ainda falando, veio outro e disse: Fogo de Deus caiu do céu, e queimou as ovelhas e os servos, e os consumiu, e só eu escapei para trazer-te a nova.” (Jó 1:16-16)

É curioso esse homem ter dito “Fogo de Deus caiu do céu”, pois segundo a conversa entre Deus e Satanás, este último é que sairia da presença de Deus para executar um grande mal na vida de Jó.

Sem saber o que acontecia no mundo espiritual, Jó também atribui a Deus o mal que recebera:

“Porém ele lhe disse: Como fala qualquer doida, falas tu; receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios.” (Jó 2:10-10)

Com isso, deveríamos crer que o responsável pela destruição das ovelhas e dos servos foi Deus? Teria Deus ajudado Satanás em algum momento?

Certamente não. Todo o desenrolar da história nos mostra que Jó e seu servo não sabem da conversa entre Deus e Satanás. Se Jó soubesse, Deus não poderia provar coisa alguma com a fidelidade de Jó. Quanto ao servo, este homem é somente uma testemunha ocular que havia escapado de um cenário de caos. Diante da grandeza do fenômeno que acabara de presenciar, o servo atribuiu a Deus a sua execução.

A Bíblia Sagrada é, sem dúvida alguma, inspirada por Deus. Porém isso não significa que todas as falas de todos os personagens foram inspiradas por Deus. É o caso do servo de Jó; da pitonisa a quem Saul consultou; dos amigos do rei Roboão, filho de Salomão; dos falsos profetas que disputaram com Jeremias, dentre outros muitos casos. Observe:

“Porque eles vos profetizam falsamente em meu nome; não os enviei, diz o Senhor.” (Jeremias 29:9)

Ao analisar um texto bíblico, é importante verificar todo o contexto, quem está falando, para quem, quando, onde, como. Para se ter uma ideia da importância disso, é interessante observar que a pitonisa que enganou Saul continua, até hoje, enganando muitas pessoas que utilizam esse texto da Bíblia para justificar a prática de consulta aos mortos.

O fato de o servo de Jó ter dito que o fogo era de Deus não prova que o fogo seja realmente de Deus. Consultando a Palavra de Deus, verificamos que Deus não é o único que pode fazer o fogo cair do céu:

“E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens.” (Apocalipse 13:11-13)

Ainda de acordo com Apocalipse, os servos de Satanás, os demônios, são capazes de fazer milagres e de enganar a muitos com as suas manifestações (Apocalipse 16:14).

Além do fato de o inimigo ter algum poder para operar maravilhas, o que o capacitaria para fazer fogo cair do céu, pesa ainda contra a tese de que Deus lançou o fogo o fato de Deus ser justo.

Deus ensina, em sua Palavra, o princípio da lei da semeadura, segundo o qual o homem colherá o que plantar. A Palavra nos diz que Deus age de maneira justa, retribuindo a cada um segundo a sua obra (Deuteronômio 30:16-18, Mateus 16:27, Romanos 2:6-10, Apocalipse 22:12).

No caso de Jó, que era justo, Deus apenas permitiu, por causa das razões já apresentadas no início desse estudo, que o inimigo executasse o mal contra Jó, não havendo participação de Deus nos trágicos eventos que sucederam.

É claro que Deus pode castigar o homem fazendo-o adoecer, porém isso acontece quando o homem dá ocasião agindo de maneira má, como veremos na referência a seguir. É imperioso mencionar, no entanto, que nem toda enfermidade é oriunda da prática do pecado, podendo ocorrer também por razões naturais, devido à genética, ao envelhecimento do corpo ou ao estilo de vida que levamos.

“Tenho, porém, contra ti que toleras a mulher Jezabel, que se chama a si mesma profetiza; ela ensina e seduz os meus servos a fornicar e a comer das carnes sacrificadas aos ídolos. Eu lhe dei tempo para que se arrependesse, e ela não quer arrepender-se da sua fornicação. Eis aí a lanço num leito, e numa grande tribulação os que adulteram com ela, se não se arrependerem dos atos ensinados por ela.” (Apocalipse 2:20-22)

Observe que o “mal” enviado da parte de Deus é, na verdade, a correção que o Eterno aplica sobre o homem injusto e mau, visando ao arrependimento do pecador. Não se trata de “mal”, mas de justiça.

Perceba ainda que Deus não aplica sua justiça imediatamente, pois oferece ao homem um tempo para o arrependimento, porque não tem prazer na destruição da obra de suas mãos.

A conclusão coerente a que se chega é que o fogo que queimou as ovelhas e os servos não foi enviado por Deus, porque Deus não trabalha em parceria com Satanás. Não existe comunhão entre a luz e as trevas (Mateus 4:10, 2 Coríntios 6:14).

Qual sua opinião sobre o assunto? Comente abaixo.

Comments

  1. Oscar Moacir teixeira

    Fortaleceu meu intendimento,pois antes de acompanhar esse estudo já tinha em mente e no coração essa interpretação,gostei demais um ótimo amanhecer!

    1. Post
      Author
  2. Elisangela de Araújo dos Santos

    Posso estar errada, mas eu acredito que Deus pode sim ter descido fogo do céu para queimar as ovelhas e os servos que servia. Porque Deus disse a satanás toca em tudo que é de jó, “mas quando seus filhos festejam logo após os banquetes jó fazia olocasto segundo o número de todos os filhos, porque dizia jó; porventura, pecaram meus filhos e brasfemaram de Deus no seu coração. Assim o fazia jó continuuamente. Jó 1:5. Acredito que as ovelhas pertencia a Deus Porque apesar da bíblia não dizer com qual animal jó fazia olocasto poderia ser com as ovelhas. Se ele criava somente para sacrificar ao Senhor pertencia à Deus. Erao que mantinha a ligação entre ele e Deus. O diabo toca com a permissão de Deus em tudo que é nosso. Mas , nem tudo que eu e você tem pertence a Deus. Ele apenas nos emprestou. Tudo que nos liga a adoração, o desejo de louvar, orar, jejuar, santificar e sacrificar vem de Deus. Acredito que antes que o diabo tocasse Deus tirou para sim.

    Lembando posso está errada é apenas minha interpretação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *