Evangelismo: considerações importantes

O que é o evangelismo?

Evangelismo é o cumprimento do “ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura”. Essa ordem foi dada pelo Senhor Jesus Cristo aos homens e precisa ser cumprida…

“Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.” (Romanos 10:13-15)

Evangelismo não é uma aventura, mas uma guerra espiritual. Existem algumas questões importantes que devem ser observadas, que vão da preparação com estudo, oração e jejum até a forma de realizar a abordagem das pessoas.

“Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério. Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” (2 Timóteo 4:5-7)

Quem pode evangelizar?

Não é para quem gosta, mas para quem foi chamado para isso:

“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores” (Efésios 4:11)

O evangelismo é um trabalho bonito, mas às vezes, penoso para os que o fazem. Os evangelistas devem estar preparados para enfrentar de forma pacífica os opositores, não pagando com mal o mal recebido.

“Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa, E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.” (1 Coríntios 4:11-13)

Na prática, tanto homens como mulheres podem fazer o evangelismo, em grupos formados por duas, três ou até mais pessoas.

“Chamou a si os doze, e começou a enviá-los a dois e dois, e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos;” (Marcos 6:7)

Evangelismo realizado por uma só pessoa não é recomendado, mas não pode ser descartada essa possibilidade, pois existem situações em que o próprio Deus ordena, como aconteceu com Filipe, ao evangelizar o eunuco (Atos 8:86-29).

Às vezes, o chamado para o evangelismo pode ser para toda a família, incluindo o pai, a mãe e os filhos que estejam com idade suficiente para realizar esse trabalho. Isso é bom porque há um despertamento para as coisas de Deus, para uma vida espiritual saudável.

“Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” (Josué 24:15)

A importância do evangelismo

O evangelismo é um serviço muito importante e envolve muita responsabilidade de quem o faz. Segundo a Palavra, quando alguém anuncia a Palavra, muitos dos anjos de Deus acompanham a pregação:

“Aos quais foi revelado que, não para si mesmos, mas para nós, eles ministravam estas coisas que agora vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho; para as quais coisas os anjos desejam bem atentar.” (1 Pedro 1:12)

Quando há uma confissão para Jesus Cristo, esses mesmos anjos se alegram e comemoram pelo fato de um pecador ter se arrependido.

“Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.” (Lucas 15:10)

O evangelismo é uma das principais atividades que a igreja deve realizar, e uma das mais nobres também, em obediência ao que disse o Senhor Jesus.

“Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.” (Atos 1:8)

Dedicação nos estudos

O evangelista deve se dedicar bastante ao estudo da Palavra de Deus:

“Retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina, como para convencer os contradizentes.” (Tito 1:9)

Quando Jesus pregou a Palavra, por muitas vezes Ele foi questionado por homens, quase sempre para o experimentar a fim de o pegar com dolo. Jesus sempre deu respostas perfeitas, que calavam os opositores, porque uma das funções da Lei de Deus é calar a boca do homem.

“Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus.” (Romanos 3:19)

Se até Jesus foi desafiado, o que dizer de nós agora. A única maneira de vencermos os questionamentos é respondendo-os corretamente, de acordo com a Palavra de Deus. Por isso é necessário um bom nível de conhecimento.

O que pregar?

Fundamentalmente a mensagem da cruz, que é loucura para os que perecem, mas o poder de Deus para salvação de todos aqueles que creem.

Antes de falar do amor de Jesus Cristo e da graça de Deus para as pessoas, é muito importante que se pregue o juízo primeiro, ou seja, que se fale sobre a lei de Deus, que julgará a todos os homens pelos pecados cometidos.

Estamos no período da graça, porém esta graça se aplica apenas aos que estão em Jesus Cristo (Romanos 8:1). A Lei de Deus ainda está em vigor hoje para os que estão fora de Cristo:

“Sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas” (1 Timóteo 1:9)

As pessoas precisam de ser informadas acerca do pecado e de que isso trará uma consequência: a condenação.

“E destes profetizou também Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que é vindo o Senhor com milhares de seus santos; Para fazer juízo contra todos e condenar dentre eles todos os ímpios, por todas as suas obras de impiedade, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que ímpios pecadores disseram contra ele.” (Judas 1:14-15)

Após esse esclarecimento, as pessoas estarão aptas para ouvirem a mensagem do evangelho, que significa boas novas, isto é, Jesus Cristo morto pelos nossos pecados, para nos livrar da condenação certa, e ressuscitado ao terceiro dia para garantir a sua promessa de salvação.

Depois de perceberem o quão encrencadas estão, as pessoas finalmente entenderão o valor do sacrifício de Jesus na cruz e o receberão como Salvador de suas vidas pelos motivos certos: arrependimento por um justo ter sido condenado imerecidamente em seu lugar e agradecimento por essa grande demonstração de amor.

“Mas, o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta.” (Mateus 13:23)

Diferente é quando alguém apresenta Jesus como um mero solucionador de problemas afetivos, de saúde, financeiros e etc. Além do fato de nem todas as pessoas sofrerem com esses tipos de problemas, o que já tornaria Jesus desinteressante, existe ainda a possibilidade de essa pessoa desanimar pelo fato de os problemas terem apenas aumentado após a confissão por Cristo:

“O que foi semeado em pedregais é o que ouve a palavra, e logo a recebe com alegria; Mas não tem raiz em si mesmo, antes é de pouca duração; e, chegada a angústia e a perseguição, por causa da palavra, logo se ofende;” (Mateus 13:20-21)

Recompensa

Há um grande galardão reservado para todos aqueles que servem ao Senhor e principalmente para os que sofrem alguma perseguição por causa do amor a Jesus Cristo e à sua obra.

“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.” (Mateus 5:11-12)

Porém jamais devemos servir ao Senhor por causa da recompensa que Ele dará, mas o sirvamos em agradecimento pelo que Ele já fez.

A graça de Deus nos basta e o que vier a mais é dom, é presente!

Preparação

Antes de sair para evangelizar, seja onde for, algumas providências devem ser tomadas.

No âmbito espiritual, o evangelista deve separar um tempo para orar a Deus e pedir a sua benção para realizar esse trabalho tão importante. É importante que essas orações sejam acompanhadas também por jejuns, pois existe uma casta de demônios que só se expulsa por meio de oração e jejum (Mateus 17:21).

Também deve haver preocupação com a vigilância.

“Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo.” (Marcos 13:33)

“E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção. Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós” (Efésios 4:30-31)

Uma pessoa que esteja vivendo uma situação de pecado não pode sair para evangelizar, pois poderá ser envergonhada pelo inimigo. Existem pecados graves que devem ser evitados a todo custo. Se por algum motivo, o evangelista cometer uma dessas faltas, deve considerar seriamente a sua situação e não ir ao bom combate.

Avise aos mais próximos sobre as atividades que irá realizar, para que saibam onde encontrá-lo, caso precisem. Ande apenas com o essencial, pouco dinheiro para o transporte e alimentação, documentos de porte obrigatório e roupas mais leves. Não há necessidade de andar com um terno nas ruas, prefira roupas mais leves e confortáveis para enfrentar o calor.

As mulheres devem evitar roupas transparentes ou que marquem o corpo. Os calçados devem ser confortáveis, por isso dê preferência aos tênis. A Bíblia não proíbe a mulher de usar calça jeans, porém modelos chamativos ou sedutores devem ser substituídos por modelos discretos. Caso a doutrina da igreja da qual faça parte não permita o uso de calças, então siga a regra. Lembre-se de beber bastante água e de descansar a garganta em intervalos regulares.

Para anunciar a Palavra de Deus em alguns locais, será necessário obter autorização do responsável. Antes de iniciar a pregação, lembre-se de agradecer pela oportunidade concedida, pois assim ninguém poderá reclamar.

Existem estratégias diferentes para cada tipo de evangelismo, seja apenas com folhetos, com serviço de som, individualmente, em casas. Para cada uma dessas situações, há uma forma mais interessante de trabalhar. Com o tempo, naturalmente novas ideias vão surgindo e o trabalho vai sendo aperfeiçoado a cada nova experiência.

Não há uma receita de bolo para realizar o evangelismo, por isso é sempre bom pedir a Deus sabedoria e direção em tudo o que for fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *