Vinte e seis líderes mundiais se unem contra terroristas do Estado Islâmico

Vinte e seis líderes políticos de todo o mundo se comprometeram a fazer tudo ao seu alcance para impedir atos de terrorismo do Estado islâmico. Os líderes mundiais se reuniram em Paris nesta segunda-feira (15) para formular um plano para acabar com o grupo extremista, também conhecido como ISIS.

Atualmente, os líderes discordam sobre a necessidade de tropas terreno para combater o Estado Islâmico. O presidente norte americano Barack Obama, o primeiro-ministro britânico David Cameron e outros acreditam que uma campanha de ataques aéreos irá parar os terroristas. Mas o coronel Richard Kemp, ex-comandante das forças britânicas no Afeganistão, disse que as tropas terrestres podem ser necessárias se os ataques aéreos não forem suficientes.

Enquanto acontecia o encontro, os EUA continuaram a sua campanha de ataque aéreo no Iraque. Os ataques aéreos foram os primeiros a serem lançados desde que Barack Obama falou aos norte americanos na última quarta-feira (10) sobre a ofensiva contra o Estado Islâmico. De acordo com o The Christian Post, os EUA realizaram 160 ataques aéreos no Iraque desde agosto.

Os representantes franceses, presidente François Hollande e ministro das Relações Exteriores, Laurent Fabius, afirmaram que os líderes devem agir rapidamente com os seus planos.

- O custo da inação seria dizer a esses açougueiros: “Vão em frente, vocês têm um passe livre”. Nós não vamos aceitar isso – afirmou Fabius.

(Extraído de: http://noticias.gospelmais.com.br/lideres-mundiais-estado-islamico-71217.html)

Comentários do Evangelismo.blog.br:

Notícias como essas, em que líderes mundiais se reúnem para discutir maneiras de alcançar a paz, serão cada vez mais comuns, principalmente nos momentos que antecedem o surgimento do anticristo.

Qualquer pessoa que não conheça, ou não acredite nas Escrituras Sagradas, vai se iludir com o aparente esforço dos líderes em obter a paz.

Acordos de paz já foram rompidos no passado, quando, por exemplo, Hitler rompeu o pacto germano-soviético, invadindo a União Soviética em busca de minérios, cereais e petróleo. [1]

A história irá se repetir e a Palavra de Deus nos antecipa isso.

"Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão." (1 Tessalonicenses 5:1-3)

Uma parte da profecia diz: "Quando disserem: há paz e segurança". Para que alguém diga isso, primeiramente é necessário que o mundo esteja em caos, por causa das guerras e rumores de guerras entre os povos e nações. Por causa disso, as nações irão clamar por uma solução definitiva para os conflitos. O mundo desejará a paz.

Nesse momento, em meio ao cenário de insegurança e de medo, surgirá um homem, muito influente, diplomático, que terá a capacidade de resolver os conflitos entre as nações.

"E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador." (Daniel 9:27)

Essa aliança será fruto do trabalho diplomático desse homem influente. Após conseguir o improvável, ou seja, a paz, o anticristo será aplaudido por todos. De acordo com a Bíblia, o anticristo vai ocupar um assento no Templo de Deus, em Jerusalém.

"Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus."(2 Tessalonicenses 2:3-4)

Mas na metade da semana (sete anos), fará cessar o sacrifício e a oblação. Isso quer dizer que o acordo de paz será interrompido antes do tempo prometido e que a guerra vai recomeçar, desta vez ainda pior.

"Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão." (Mateus 24:10)

O mundo estará em pânico novamente. Muitos dos que conhecem as Escrituras Sagradas, mas que não forem arrebatados, morrerão no período da grande tribulação (Apocalipse 13:7), por recusarem a marca da besta (Apocalipse 13:16). Muitos deles serão decaptados, como escrito em Apocalipse 20:4. Nesse tempo, o evangelho do reino voltará a ser pregado e dessa vez a mensagem alcançará todo o mundo, conforme Mateus 25:14.

É importante lembrar do fato que o Senhor Jesus Cristo pregou o evangelho do reino (Mateus 4:23, Lucas 8:1), e não o da graça. Após a sua rejeição já esperada, Jesus deu ordem para a pregação do evangelho da graça (Marcos 16:15-16, Atos 20:24), no qual quem crê e é batizado é salvo (Atos 16:31-33).

Como vemos, o mundo está caminhando para esse cenário de violência exagerada. Quando a situação ficar insustentável, os povos clamarão pela paz. Reuniões de líderes como a que aconteceu na França serão comuns, até que venha o filho da apostasia, o filho da perdição, o homem da falsa paz.

A Palavra de Deus está se cumprindo diante dos olhos de todos, porém parte da humanidade está cega e assim continuará.

"Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus." (2 Coríntios 4:4)

Independentemente disso, como diz a Palavra:

"Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça." (Marcos 4:23)

[1] http://www.brasilescola.com/historiag/segunda-guerra-mundial.htm

Evangelismo.blog.br: Porque evangelizar é necessário