Muçulmano que fundou o Hezbollah se converte ao cristianismo e se torna missionário

Um iraniano que foi um terrorista e extremista islâmico se converteu ao Evangelho e agora compartilha seu testemunho e leva a mensagem bíblica para seus conterrâneos.

Desde muito cedo Daniel Shayesteh foi ensinado sobre o islamismo, e aos nove anos de idade era capaz de recitar trechos do alcorão e realizar rituais islâmicos, devido a uma determinação de seu pai, que o tinha escolhido entre 12 irmãos para ser ensinado sobre a religião.

Essa característica o tornou famoso na comunidade muçulmana iraniana, e isso o levou a uma posição de influência entre os extremistas, e ao lado deles, fundou o Hezbollah. Aplicado, fez parte do golpe que derrubou o então rei do país, Mohammed Reza Shah, na revolução islâmica de 1979.

A partir desse episódio, Shayesteh se tornou líder político islâmico do Hezbollah, o que o levou a ser alvo durante o golpe de estado do aiatolá Ali Khamenei, atual “líder Supremo do Irã”. Na ocasião, alguns revolucionários foram mortos, mas Shayesteh foi apenas preso: “Pela graça de Jesus, eu escapei. Mesmo que eu não soubesse, Ele tinha um plano para mim”, disse.

Tempos depois, fugiu da prisão e se exilou na Turquia, onde foi estudar e se dedicou à conquista do doutorado em gestão internacional. Em sua tese, defendeu uma ideia que mensurava como as religiões, culturas e filosofias impactam as atitudes humanas.

“Fiquei surpreso e chocado ao ver como os valores do cristianismo são superiores em todos os aspectos, nesse estudo comparativo das religiões e filosofias”, explicou. Porém, como havia sido ensinado de forma radical no islamismo, se recusava a aceitar o cristianismo como uma religião correta.

“Me disseram, há 32 anos, que o cristianismo era a pior religião do mundo. Desde criança eu aprendi que o Islã é o vencedor, o Islã é o melhor, sem qualquer lógica mais profunda sobre o assunto. O Islã deve dominar o mundo, e para garantir isso, temos que chamar as pessoas para seguir o Islã. Se elas não quiserem seguir, temos de ameaçar e ataca-las por meio do terrorismo. Esse foi o ensino que obtive e que dominou a minha mente. Isso é o que todos os muçulmanos radicais no mundo pensam, e é por isso que eles estão praticando o terrorismo”, revelou Shayesteh.

A grande contraprova das dúvidas de Shayesteh foi um golpe financeiro que sofreu de um colega muçulmano, que era seu sócio, mas fugiu com todo o dinheiro que haviam juntado para fazer um investimento. Shayesteh descobriu que embora o golpista fosse muçulmano, tinha amigos cristãos, e resolveu ir à igreja numa tentativa de achar rastros.

Lá, foi recebido de forma acolhedora e foi informado de que receberia ajuda na tentativa de localizar o golpista. “Fiquei impressionado, mais uma vez, no que estava ouvindo dos cristãos. Por um lado, sua definição de Deus era tão diferente. Ele é pessoal e criou os seres humanos para se relacionar com Ele. O deus islâmico não é tão presente, um relacionamento com ele não pode existir”, relembrou.

O ponto de virada em sua crença foi a descoberta do amor divino que a Bíblia relata: “O Deus cristão é fonte de todo o bem. Não há nenhuma essência do mal n’Ele. Em todas as outras religiões os deuses não são bons, porque eles estão abrigados no mal de ‘satanás’, de alguma forma. No Islã, o deus é criador do bem e do mal, e tal deus corrompe o mundo”, pontuou.

Segundo informações do Charisma News, Shayesteh disse que, a essa altura, já não podia evitar o raciocínio de que estava diante da verdade, e aceitou a Cristo quando descobriu que poderia ser livre de seu passado de crimes com o Hezbollah e da religião que o afastou de Deus: “O verdadeiro Deus tem uma natureza pura, e a natureza pura sempre cria pureza”, definiu.

Hoje, o doutor Daniel Shayesteh dá palestras a estudantes universitários, grupos cristãos e políticos sobre a ameaça que o islamismo representa, e defende e o valor da democracia e da liberdade. “Extremistas muçulmanos e muçulmanos cometidos querem mudar a cultura das sociedades ocidentais. Liberdade e democracia vêm de valores cristãos, o Islã não pode promover ou valorizar a democracia e a liberdade”, alertou.

Embora esteja limitado por sofrer ameaças de extremistas muçulmanos, seus ensinamentos se tornam acessíveis para muçulmanos do Oriente Médio através da internet, chamado Exodus From Darkness (“êxodo da escuridão”, em tradução livre do inglês).

Com essa ferramenta, Shayesteh relata que alguns milhares de muçulmanos foram apresentados ao Deus do cristianismo e se converteram ao Evangelho. “Muitas pessoas nos países islâmicos, especialmente os jovens muçulmanos, estão exaustos e sobrecarregados. Eles estão cansados. Eles querem se abrigar em uma crença pacifica. Mas se você não tem paz com Deus, você não vai ser capaz de ter paz com os outros, não importa o quanto você gostaria de ter. Portanto, no cristianismo, há uma porta aberta para nós, e assim tocamos o coração de milhões de muçulmanos com essa porta”, concluiu.

(Extraído de: http://noticias.gospelmais.com.br/ex-muculmano-converte-cristianismo-vira-missionario-76109.html/comment-page-1#comment-1430988)

Comentários do Evangelismo.blog.br:

Quando Deus tem um plano na vida do homem, não há nada que possa impedi-lo de realizá-lo.

Como demonstrado na notícia, os mulçumanos que praticam o Alcorão realmente são uma ameaça, não apenas para os cristãos, mas para qualquer pessoa que possua uma fé diferente do islã, porque segundo o Alcorão:

"Combatei aqueles que não crêem em Deus e no Dia do Juízo Final, nem abstêm do que Deus e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião daquelesque receberam o Livro, até que, submissos, paguem o Jizya." (9ª SURATA - O Arrependimento, 29)

O Islã está crescendo no mundo, mas principalmente para que as profecias acerca da perseguição se cumpram por toda a parte.

Mas ao mesmo tempo em que isso ocorre, também devemos nos lembrar das sempre verdadeiras palavras do Senhor Jesus Cristo:

"E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós. E de todos sereis odiados por causa do meu nome. Mas não perecerá um único cabelo da vossa cabeça. Na vossa paciência possuí as vossas almas." (Lucas 21:16-19)

Será que estamos realmente preparados para o que já está acontecendo em outros países?

Evangelismo.blog.br: Porque evangelizar é necessário