Metade dos crentes ingleses não crê que Jesus foi real

Justin Welby, líder da Igreja Anglicana.

Nova pesquisa mostra índices chocantes de incredulidade

A Inglaterra, que foi o berço do movimento missionário mundial durante muitos anos, continua dando provas de como o liberalismo teológico está acabando com a fé no Reino Unido.

Uma pesquisa encomendada pela Aliança Evangélica e pela Igreja da Inglaterra produzida pelo ComRes e o Instituto Barna, entrevistou 4.000 pessoas no mês passado.

O resultado mostra que mais de 40% dos ingleses não acreditam que Jesus foi uma pessoa real. Já 43% dizem crer na ressurreição, embora muitos achem que ela não ocorreu como descrito na Bíblia.

Embora 57% dos entrevistados afirmem ser cristãos, menos de 10%, na verdade, admitem ser praticantes (fazem orações, leem a Bíblia regularmente e vão à igreja pelo menos uma vez por mês).

Esse levantamento será discutido no próximo Sínodo Geral da Igreja Anglicana, religião oficial do país, que ocorre em novembro. Chama atenção o fato de um quarto dos entrevistados entre 18 e 34 anos de idade afirmaram que ele é “um personagem mítico ou ficcional”.

A pesquisa faz parte de um projeto de pesquisa que tenta avaliar a “situação espiritual” da nação. O estudo foi enviado a todos os 470 bispos, pastores e leigos membros do sínodo, recém-eleitos para os próximos cinco anos. O relatório pede orações pela Igreja. “Estamos diante de um enorme desafio, mas também de grandes oportunidades”, afirma o material.

Um dos assuntos que será mais debatido é a onda de migração e a crise de refugiados. O Sínodo quer avaliar a contribuição britânica para a realocação dessas pessoas. O material previamente divulgado deixa claro que “os refugiados de todas as religiões devem ser ajudados”.

Enquanto debatem os refugiados, ignoram outros aspectos da pesquisa, sobretudo no que diz respeito à evangelização. Dois terços dos cristãos praticantes responderam que tinham falado sobre Jesus com um não-cristão no último mês. A maioria disse sentir-se à vontade para falar da sua fé. As palavras mais frequentemente usadas para descrever Jesus foram “espiritual”, “amor” e “paz”.

Por outro lado, quase 60% dos ingleses não querem “saber mais” sobre Jesus. Apenas 20% afirmaram que desejavam conhecer melhor Jesus Cristo depois de um cristão praticante compartilharam sua fé com eles. Cerca de 25% disseram “sentir-se mal em relação a Jesus” após ouvirem de um cristão compartilhar sua fé.

Sobre isso, o relatório limita-se a dizer: “Devemos reconhecer que até mesmo o próprio Jesus, ao falar com as pessoas no primeiro século, não foi bem recebido 100% do tempo.”

2000 Igrejas serão fechadas

A pesquisa foi publicada poucos dias após a Igreja da Inglaterra, conhecida como episcopal anglicana no resto do mundo, divulgar que estuda fechar pelo menos 2.000 das 16.000 igrejas no Reino Unido.

Nesses locais, reúnem-se regularmente menos de dez fiéis. A maioria é idosa e as ofertas são poucas e esparsas. Isso inviabiliza os custos de manutenção. A opção é transformá-las em “igrejas de feriado”, que só abrem nas semanas do Natal e da Páscoa, quando muitos cristãos nominais procuram alguma igreja por hábito. Com informações de BBC e Christian Today

(Extraído de: https://noticias.gospelprime.com.br/crentes-ingleses-nao-cre-jesus-real/)

Comentários do Evangelismo.blog.br:

Isso é para que se cumpra a profecia:

"Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição" (2 Tessalonicenses 2:3)

A apostasia é o desvio da verdade, e não necessariamente da "igreja".

Por toda a parte, presenciamos o surgimento de doutrinas cada vez mais distantes da que é bíblica, da sã doutrina.

Além da doutrina bíblica, podemos citar a de homens (Marcos 7:8) e a de demônios (1 Timóteo 4:1). Entre a doutrina de homens e a de demônios, sem dúvida alguma esta última é a mais perigosa, porque leva o homem a ter uma fé inútil para a salvação.

A fé bíblica pode ser resumida nesta passagem:

"Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado; o qual também recebestes, e no qual também permaneceis. Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras." (1 Coríntios 15:1-4)

Uma doutrina que não esteja baseada nisso sempre será oriunda das trevas.

"Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; Porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas. Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios;" (1 Tessalonicenses 5:4-6)

O cristianismo no Brasil também sofre muito com a apostasia, a qual se manifesta em forma de doutrinas enganosas, comércio nas casas de oração (cantinas, bazares, leilão de ofertas, venda de produtos ungidos), envolvimento com política, pagamento do "cachê" para o cantor "louvar a Deus" ou para o "pregador ler a Bíblia".

Só existem "igrejas para todos os tipos de gosto" porque muitos estão amontoando para si doutores segundo as suas próprias concupiscências (2 Timóteo 4:3).

O fim está próximo e isso é uma ótima notícia!

Evangelismo.blog.br: Porque evangelizar é necessário